• Marcio Roberto

    “Se fosse assim, os softwares de tradução automática já teriam dado aos tradutores de carne e osso o mesmo destino que a calculadora deu ao ábaco.” Fatality!! Pois é, falou e disse. E afinal de contas o inglês como provavelmente todas as línguas existentes é um estudo eterno ou seja, você tem que sempre que estudar, estudar e estudar, pois sempre haverá mais o que aprender..

  • Elielson, tudo bem?

    Muito obrigado pelo feedback sobre o post. Continuo publicando na fanpage: facebook.com/teclasap. Volte sempre!

    Abraços

    • Elielson

      Haha, Thank you srrs Obrigado 😀

  • Monica Labrin

    A língua é viva, ela se adapta às circunstâncias, aos momentos da fala. Não podemos nos comunicar “literalmente”. Temos que contextualizar, sempre, isso já fazemos automaticamente con nosso português e o mesmo ocorre com o Inglês. Para ilustrar o que digo, uma vez, navegando na Internet, encontrei um artigo, em Português, sobre Eduardo I, rey da Inglaterra. Como sou curiosa, quis testar um ATM (automatic translation machine) da Internet, com um parágrafo desse artigo onde aparecia o nome do rey…adivinha a tradução??? Eduardo EU. Nossa!!!!!

    • Mônica, tudo bem?

      Muito obrigado por participar da conversa. Concordo plenamente com suas observações. Será que a Elizabeth Eu-Eu também concordaria? 😉

      Abraços

  • Thiago, tudo bem?

    Muito obrigado pelas belas palavras. É mesmo gratificante saber que o conteúdo está sendo bem aproveitado. Agradeço o elogio em nome de todos os colaboradores do Tecla SAP. Volte sempre!

    Abraços

  • Elisete

    Oi Ulisses. Acompanho vc há bastante tempo. Leciono inglês para o curso de Geologia (em Santos). Sempre deixo claro que o glossário que organizo nas lições refere-se “apenas” ao sentido da palavra naquele contexto específico, pois a mesma palavra, em outro contexto, poderá ter outro sentido. Um caso bem comum na área de geologia é “bed”, no sentido de camada, acamamento. Antes que perguntem, eu já explico que normalmente aprendemos “bed” com significado de “cama”. Mas que, nos textos que trabalhamos, o sentido é de camada. 🙂 Abraços.
    P.S. Veja meu livro: UPSTREAM – Inglês Instrumental – Petróleo e Gás – editora Cengage Learning.

    • Elisete, tudo bem?

      Muito obrigado pela complementação. É importante deixarmos claro que não temos nada contra os glossários, desde que, como você afirma, eles sejam usados com essa ressalva. Volte sempre!

      “Bed” é um excelente exemplo, pois além dos significados que você aponta, a palavra também significa “canteiro”, como em “flowerbed”, “leito (de rio)”, em “riverbed”, “leito (hospitalar), em “hospital bed”, “fundo”, como em “seabed” etc.

      Abraços

  • Sérgio, tudo bem?

    Muito obrigado pelo relato. A tradução automática ainda está long de ser uma maravilha, mas já melhorou bastante. Volte mais vezes!

    Abraços

  • Cris Babuska

    Oi, Ulisses!

    Tudo bem?
    Adorei!!
    Me lembrou de uma aula que dei uma vez, querendo mostrar as diversas possibilidades de significado das palavras.

    Coloquei no quadro, ao lado de uma figura de um jogo de chá, a frase “It’s made of china.”

    Ui!!! Fui quase crucificada! Mas foi proposital. Sabia que causaria essas reações.
    Os alunos, já num nível mais avançado, começaram a falar “Teacher, você está errada!”, “Teacher, tem dois erros na sua frase!” , “Teacher! Pay attention!” e até um “Nossa! Como essa professora está dando aula pra nossa turma?” fiquei sabendo, mais tarde, que tinham falado.

    Mal sabiam eles, que “china”, com letra minúscula, significa porcelana.

    Não sabemos tudo! Eu aprendo todos os dias, inclusive com meus alunos, que com suas dúvidas, me levam a pesquisar! Não custa usar, como você bem colocou, palavras que levem ao benefício da dúvida, mesmo se a intenção é criticar. É muito mais fácil alcançar objetivos, trilhando o caminho da humildade.

    Abraço.

    • Cris, tudo bem?

      Obrigado pelo comentário. Concordo plenamente com as suas observações. Infelizmente, tem gente que não só insiste em querer reinventar a roda, mas jura que ela é triangular. Fazer o quê? 🙂

      Abraços

  • Ana Beatriz Vianna

    Gostei muito, Ulisses! Obrigada!

    • Ana, tudo bem?

      Muito obrigado pelo feedback gentil. Volte mais vezes.

      Abraços

      • Ana Beatriz Vianna

        Sou visitante assídua, Ulisses. Porém, silenciosa. Prometo ser mais participativa daqui pra frente. 🙂
        Um abraço!

  • RUTH PIMENTEL

    Obrigada Ulisses!! Suas dicas são sempre muito valiosas!
    Um abraço

    • Ruth, como vai?

      Muito obrigado pelo feedback. Agradeço o elogio em nome de todos os colaboradores do Tecla SAP. Volte mais vezes.

      Abraços

  • Eliane Lemes Carlos Lemes

    Parabéns , Ulisses. Você se saiu bem e foi politicamente correto. Lamentavelmente teremos pessoas, em todos os lugares, datas e profissões que possuem um tempo útil somente para “trollar” pessoas de bem, como você, que ajuda inúmeros que tentam aprender ou melhorar o aprendizado do inglês. Abraço.

    • Eliane, tudo bem?

      Obrigado pelo comentário. Não acho que foi troll nesse caso. Tem gente que acredita mesmo na tabelinha do Word para aprender língua estrangeira.

      Abraços

  • Eduardo Soares

    Excelente texto professor. Humildade é importante em todos os momentos, sempre tem alguém que quer impor usa opinião como verdade absoluta.

    • Eduardo, como vai?

      Muito obrigado pelo feedback. Volte mais vezes e comente sempre que puder.

      Abraços

      • Marcley Oliveira

        Ulisses, já notei que quanto menos a pessoa conhece sobre um determinado assunto, mais certezas ela acredita possuir. Tenho aprendido e muito com o Tecla Sap. Obrigado por todo o teu esforço e dedicação.

        • Marcley, tudo bem?

          Obrigado pelo interesse no Tecla SAP e pelo comentário. Concordo com as suas observações. Sou a favor de um mundo com mais dúvidas… 😉 Volte sempre!

          Abraços