• Bruno, tudo bem?

    Não faltam adjetivos pejorativos em inglês para descrevermos correntes ideológicas diferentes da nossa. Nenhum deles, no entanto, pode ser aplicado como tradução de “coxinha” / “petralha” porque não retratariam a conjuntura política brasileira do momento. Assim como no caso dos salgadinhos, adaptações e explicações são necessárias.

    Abraços

  • Pingback: ()

  • Nancy, tudo bem?

    Obrigado pelo comentário. Volte mais vezes!

    Abraços

  • Pingback: ()

  • Alexandre

    Empanada é pastel em Espanhol;

    Chamuça (samoosa no Indianismo Inglês) difere do pastel fundamentalmente na dobragem da massa – Começa com um triângulo equilátero, e cada ponta vai fechar sobre o recheio a meio do lado oposto. Massa crocante ou macia (“massa tenra”) dependendo da região da India, recheio idem.

    Passa-se o mesmo com o CARIL que quer dizer “molho” em Língua Hindi, adaptado ao Português ipsis literis) (curry no Indianismo Inglês), . Há um número imenso de receitas diferentes, dependendo do local – India e suas provincias, Indonésia, Malásia, Tailandia, enfim por todo o extremo Oriente

  • muito útil o post.

  • Gustavo Gouveia

    Senti falta da palavra PATTY no meio destas traduções aí. 🙂

  • Ulisses Wehby de Carvalho

    Vanessa, tudo bem?

    Trata-se de uma adaptação. Deduzo que esta tenha sido a intenção de Jack Scholes, o autor do livro de onde o texto foi extraído.

    Abraços

  • Aryel Lanes

    Li uma vez que os pastéis que conhecemos também podem ser chamados de “samosa”. Já ouvi americanos dizendo até “empanada”… Quanto aos pastéis assados, acho que os chamam de “cornish pasty” (a massa é a mesma, mas eles utilizam recheios diferentes).

    Coxinha de frango: acho que “chicken croquette” é o suficiente.

    A empada de frango que encontramos por aqui, se não me engano, é conhecida como “chicken pie” por lá.

    Há também os bolinhos de aipim (manioc fritters). Quanto a esfirra e ao quibe, creio que eles utilizem nomes bem similares (esfiha e kibbeh), uma vez que pertencem à culinária árabe.

  • Conrado

    Poxa Ulisses, como assim empada sem azeitona?
    Como é que a gente explica pros gringos depois a expressão “Você é a azeitona da minha empada”?

    Brincadeiras à parte, ótimo conteúdo, como sempre!

    Abraços,

    • Conrado, tudo bem?

      Eu, assim como todos os dentistas, concordamos com você plenamente! O texto, no entanto, é do Jack Scholes. A “culpa” é dele… 😉

      Abraços a todos

  • Roxana

    Que maravilha este tópico.