• Pingback: ()

  • Dani Martins

    Boa noite, Ulisses! Achei muito esclarecedor o seu artigo, assim entendo mais a profissão para a qual o meu marido tem se preparado (intérprete), e gostaria de obter sugestões de quais marcas e modelos de fones de ouvido são melhores para essa profissão, assim posso dar um presente útil, assim que for possível! ($!) Obrigada!

  • Pingback: ()

  • Angelo Ogawa

    Olá tudo bem??

    Gostei do artigo,serviu muito para tirar algumas dúvidas minhas,porém tenho ainda uma dúvida sobre oque acontece no meu trabalho.
    Trabalho como intérprete/tradutor de japonês-portugûes/português-japonês em uma multinacional,fabricação automotiva,tenho certificado de proficiência da língua japonesa N1(mais avançado),no entanto no meu trabalho envolve muitos assuntos técnicos,assuntos relacionados á engenharia,manutenção,processo de fabricação,finanças,etc e as reuniões e apresentações é praticamente sobre esses assuntos,mas os assuntos e materiais que serão apresentados não são passados(nem explicados) antecipadamente pra mim,oque faz com que a tradução seja feita na hora como se fosse uma ”surpresa” do que será discutido.Acho isso muito difícil e na verdade quase impossível,mesmo que no decorrer do tempo dá pra aprender bastante coisa,não sei como funciona nas outras empresas e não tenho anos de experiências como intérprete,gostaria de saber algo sobre isso,ou se alguém tem alguma experiência parecida com a minha !!

  • Jack, tudo bem? Muito obrigado pelo comentário simpático. Boa sorte na profissão. Abraços

  • Pingback: ()

  • Caroline, tudo bem?

    Não tenho condições de opinar sobre o tema, infelizmente. Vamos ver se alguém comenta e te dá uma luz.

    Abraços

  • Rafael Breda

    Bom dia, obrigado pelo artigo, muito bem escrito e completo . Sou brasileiro e francês, moro na França e tenho o controle contemporâneo total das duas linguas . Quem sabe possa trabalha um dia com ambas as duas ?…
    Em todo caso me ajudou muito ler e nasce uma esperançazinha de poder ser útil…até mais .

  • Verena, tudo bem?

    Muito obrigado pelo elogio ao texto. Fico mesmo muito contente em saber que ele foi útil para esclarecer várias questões para você. Torço para que suas aventuras pelo mundo das letras sejam igualmente apaixonantes. Happy sailing… 😉

    Abraços

  • Jefferson Fernandes

    Olá,

    sou recém-formado no curso de graduação Tradutor e Intérprete pela Universidade Nove de Julho, em São Paulo. Para acrescentar algo sobre o texto que o Ulisses escreveu, o curso de tradução e intérprete propriamente dito tem um foco totalmente diferente se comparado a um curso de Letras, pois toda a parte didática é deixada de lado. O curso é específico para quem quer seguir ambas as áreas ou apenas uma delas, há uma grande remessa de áreas para práticas de tradução e intérprete: jurídico, técnico, médica, negócios, literário, enfim. Não estou aqui para fazer um “merchan” da Universidade, quero apenas compartilhar a minha experiência como aluno para as pessoas que chegam aqui, lê o texto e ficam boiando, pelo fato de não saber por onde começar. Finalizo aqui dizendo que, seja curso de tradução e intérprete ou letras, ambos fornecerão uma bagagem literária, gramatical, escrita, linguística, textual, sem tamanho! E algo que devo confessar, não se iludam achando que traduzir é apenas substituir as palavras ou que “eu sei inglês, vou me dar bem”, quando estamos vivendo a situação é completamente diferente… no entanto é uma profissão sem dúvidas sensacional, como dizia uma professora “Estamos em todos os lugares, apenas não somos vistos!” e outra “Somos uma sociedade secreta” rs.

    Parabéns Ulisses pela profissão! Eu não me arrependo de ter me graduado nesse curso, é fantástico! Seu site me ajudou, me ajuda e sem dúvidas continuará ajudando.

    Abraço.

    • Jefferson, tudo bem?

      Muito obrigado pelo relato e por complementar o conteúdo do post. Seja bem-vindo ao mundo da tradução. Boa sorte na carreira. Volte mais vezes e comente sempre que puder!

      Abraços

    • Patricia

      Jefferson Fernandes, tudo bem? Estou pesquisando sobre a graduação de Tradutor Intérprete, gostaria de saber se você fez presencial ou ead na Uninove e o que achou da faculdade.
      No aguardo e obrigada

  • Pingback: ()

  • Nídia, tudo bem?

    Obrigado pelo comentário. Esqueça a palavra “emprego” nessa área. O trabalho é autônomo, exceto raríssimas exceções. Idade não costuma ser problema para tradutores e intérpretes. Experiência – profissional e de vida – só ajuda. Boa sorte!

    Abraços

  • Guilherme, tudo bem?

    Sua pergunta deveria ser feita para um advogado. Não me considero apto para responder.

    Abraços

    • Guilherme

      Entendo.

      Há algum software gratuito que facilite o processo? Guarde projetos antigos, apresente de forma prática a fonte original e a tradução, etc.

  • Pingback: ()

  • Slinwood’, tudo bem?

    Muito obrigado pelo feedback simpático. Volte mais vezes.

    Abraços

  • Oséas, tudo bem?

    Muito obrigado pelo interesse no Tecla SAP e pelo elogio ao texto. Volte sempre!

    Abraços

  • Pingback: ()

  • Jean, tudo bem?

    Bem-vindo ao hospício… 😉 Obrigado pela gentileza de comentar. A gente se fala…

    Abraços

  • Bianca Santos

    Boa noite, Ulisses! Me matriculei há alguns dias na faculdade de Tradutor e Intérprete, porém tenho alguns receios em relação ao mercado de trabalho por conta da crise em que estamos vivendo. Como está atualmente? Com essa profissão, é possível trabalhar também em empresas?

    • Bianca, tudo bem?

      Sua preocupação é legítima, é claro. A nossa profissão, no entanto, está sujeita aos altos e baixos das crises econômicas, assim como todas as outras, não é mesmo?

      Tanto os altos quanto os baixos afetam os profissionais da tradução de formas diferentes. As diferenças se devem a uma longa série de variáveis: experiência, competência, quantidade e qualidade de clientes, combinação linguística, área(s) de especialização, entre outras.

      Deduzo que o quadro não seja muito diferente com as profissões liberais em geral. Seus colegas de faculdade de outros cursos devem ter preocupações semelhantes…

      Que essa preocupação sirva de estímulo para você se dedicar ainda mais à sua preparação, seja dentro ou fora da sala de aula. Não costuma faltar trabalho para os profissionais de ponta.

      Espero ter ajudado de alguma forma.

      Abraços

  • Noemi, tudo bem?

    Muito obrigado por compartilhar a sua história conosco. É bom saber que o texto está sendo bem aproveitado por tanta gente.

    Boa sorte na pós e na profissão. Volte sempre!

    Abraços

  • Ana, tudo bem?

    Obrigado pelo feedback gentil. As sugestões já foram incorporadas ao texto. Volte sempre!

    Abraços

  • Indianara Auane

    Muito esclarecedor o artigo, Ulisses! Estava à procura de maiores informações sobre o trabalho de tradutor e intérprete (não sabia qual a diferença entre as duas) e como utilizá-lo na minha área de atuação (sou advogada). Muito obrigada!

    • Indianara, como vai?

      Muito obrigado pela gentileza de comentar. É muito bom saber que o texto foi útil para você. Volte sempre!

      Abraços

  • Beatriz, tudo bem?

    Obrigado pelo interesse no Tecla SAP. Não me sinto à vontade para dizer se uma ou outra faculdade é boa para as pessoas. Entendo a dúvida, é lógico, porque ela é mesmo pertinente. Meu alcance, no entanto, se limita a relatar minha experiência prática e descrever algumas das características principais da área. A escolha da profissão, é claro, cabe a cada um.

    Abraços

  • Mayara, tudo bem?

    Suas perguntas são muito amplas e subjetivas. Não me sinto à vontade para opinar porque o que é ruim para alguns pode ser uma maravilha para outros. Esse seria tema para outro post, quem sabe?

    Os textos que já escrevi sobre tradução simultânea aqui no Tecla SAP retratam a profissão na prática. É claro que é a minha experiência prática sob a minha ótica, na cidade em que atuei, com o meu par linguístico, nos eventos sobre assuntos com os quais eu tenho familiaridade etc. São tantas as variáveis que nem dá para começar a falar desses temas genericamente.

    Os artigos sobre tradução simultânea podem ser lidos pela tag http://www.teclasap.com.br/tag/traducao-simultanea/ . São 75 textos no total.

    Abraços,

  • Elizabete, tudo bem?

    A Associação Alumni oferecia (não sei ainda oferece) aulas práticas para ex-alunos e também para os interessados em praticar com a orientação de um profissional. A Alumni fica em SP e não sei se seria uma opção para você. Não conheço alternativas em outras cidades.

    Abraços,

  • Camila, tudo bem?

    Obrigado pela gentileza de expressar sua opinião. É sempre muito gratificante saber que o conteúdo está sendo bem aproveitado. Volte sempre! Bons estudos!

    Abraços

  • Juliana Correa

    Ulisses, interessantíssimo seu texto! Simples e objetivo quando considerado a complexidade do tema. Obrigada!

    • Juliana, tudo bem?

      Obrigado pelo elogio. Fico mesmo muito contente em saber que o texto foi útil para você. Volte mais vezes.

      Abraços

  • Beatriz, tudo bem?

    Obrigado pelo elogio ao texto. Não há exigência de formação universitária para se atuar no mercado de tradução. Logo, você pode, em tese, fazer tradução em qualquer combinação linguística que você se julgar competente. É lógico que o mercado precisa “concordar” com você… 😉

    A coisa muda de figura se você estiver falando sobre a tradução juramentada. Nesse caso, os exames de proficiência são feitos por par linguístico.

    Abraços

  • Gabriel, tudo bem?

    Obrigado pelo feedback. Volte sempre!

    Abraços

  • Vitória, tudo bem?

    Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

    Abraços

  • Pingback: ()

  • Igor, tudo bem?

    Não conheço o mercado de interpretação do Ceará a ponto de opinar. Essa é uma descoberta que você mesmo terá de fazer por aí.

    Abraços

  • Yanka de Araujo

    Ajudou bastante! Meu sonho <3

    • Yanka, tudo bem?

      Obrigado pelo feedback. Boa sorte na concretização do sonho… 😉 Volte mais vezes.

      Abraços

  • Larissa Silva Casemiro

    Amei o artigo ♥

  • Luis Paulo Camargo

    Uma pena que o tão tradicional curso da UNIBERO tenha acabado. A anhanguera conseguiu destruir este curso. Estou no terceiro semestre e só tive decepções. Mas por paixão pela tradução, terei que buscar outros caminhos.

    • Luís Paulo, tudo bem?

      Infelizmente, as notícias que recebo são na mesma linha do seu relato. Pena mesmo.

      Abraços

  • Eurídice Sacramento Mariani

    Obrigada pelo excelente artigo! Atualmente estudo sueco. Interesso-me por tradução técnica. Gostaria de saber como anda o mercado de trabalho emm linguas nórdicas.

    • Ulisses Wehby de Carvalho

      Eurídice, tudo bem?

      Muito obrigado pela visita e pelo interesse no Tecla SAP. Não tenho condições de responder a sua pergunta. Vamos ver se alguém que atua com esses idiomas pode ajudar.

      Abraços

  • Cibelle Marques

    Muito bom! Aliás sua palestra foi ótima no congresso da Abrates. Sou super hiper iniciante nesse meio e através do seu blog que fui procurar a Alumni e ano que vem é eu lá! Obrigada

    • Ulisses Wehby de Carvalho

      Cibelle, tudo bem?

      Obrigado. Fico muito contente em saber que você gostou da palestra no #abrates15. Bons estudos e boa sorte!

      Abraços

  • Débora Carvalho

    Olá Ulisses, preciso da sua ajuda pra tirar uma dúvida. Tenho um enorme interesse e sonho de ser interprete/tradutora, porém, tive duvida quanto a graduação de devo fazer. No estado em que moro, é oferecido o curso de Letras Lingua Inglesa e literaturas – Licenciatura. Minha dúvida; É essa opção de curso que devo fazer pra conseguir trabalhar com tradução?

    • Débora, tudo bem?

      Tratei dessa questão no parágrafo “Letras ou outra graduação” acima. Nem me atrevo a dizer o que você deve ou não deve fazer, né? 😉 Essa resposta quem tem é você. Boa sorte!

      Abraços

  • Paloma Bueno Libras

    Excelente artigo! não sabia que a profissão não é regulamentada! Pois a LEI Nº 12.319, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010, Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS

    • Ulisses Wehby de Carvalho

      Paloma, tudo bem?

      Obrigado pela informação. Volte sempre!

      Abraços

  • Beatriz França

    Olá Ulisses, estou no 3º ano do ensino médio e pensando no curso de Tradutor e Intérprete como 2ª opção. Curso Inglês há 5 anos, e só falta mais um ano para terminá-lo. Qual a sua opinião sobre essa área no ponto de vista do meu perfil?

    • Ulisses Wehby de Carvalho

      Beatriz, tudo bem?

      Obrigado pelo interesse no Tecla SAP.

      Inglês não “termina” em 6 anos. Tradução muito menos…

      Abraços

      • Beatriz França

        Muito obrigada pelo seu ponto de vista!

  • Ulisses Wehby de Carvalho

    Cristiane, tudo bem?

    Muito obrigado pela contribuição. Volte sempre!

    Abraços

  • Adriana

    Olá, Ulisses! Gosto muito de trabalhar com tradução e estou retomando as atividades nessa área. É sempre bom se manter atualizada. Obrigada por compartilhar as informações. Abraço, Adriana

    • Ulisses Wehby de Carvalho

      Adriana, como vai?

      Obrigado pela visita e pelo comentário. Boa sorte na retomada da profissão.

      Abraços

  • Vera Barkow

    Olá, Ulisses! Como mencionado no blogue “Tradutor Profissional’, é bom frisar que: “Para ser TPIC, você precisa ter cidadania brasileira e residir no
    Brasil. Além disso, precisa ser aprovado em um concurso promovido pela
    Junta Comercial do estado em que residir.”

    Sds
    Vera

    • Ulisses Wehby de Carvalho

      Vera, tudo bem?

      Muito obrigado pelas observações. Acabo de incluí-las no texto. Volte sempre!

      Abraços