Artigo: Como arranjar trabalho (de tradução simultânea)?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Ulisses Wehby de Carvalho

Tradução simultânea: como arranjar trabalho

Sinto desapontar aqueles que freqüentemente me fazem a pergunta do título deste artigo, mas não tenho respostas satisfatórias para oferecer àqueles que estão saindo ou acabaram de sair da faculdade de tradução e estão procurando formas de entrar no mercado de tradução simultânea. Não tenho uma receita infalível para arranjar trabalho. Se a tivesse, estaria trabalhando agora em uma cabine e não estaria em casa às 4 da tarde escrevendo no meu blog, concorda? Antipatia e azedume à parte, – não ter trabalho é mesmo um porre! – vou dar algumas dicas que, espero, lhes possam ser úteis.

Todos sabem que os primeiros trabalhos são os mais difíceis de se conseguir e, diga-se de passagem, isso se aplica a qualquer profissão, não é mesmo? Na nossa, há um agravante: em geral, a distribuição de currículos não dá muito certo, nem para clientes em potencial nem para colegas. A recomendação, ou seja, o boca a boca, costuma dar mais resultados entre os profissionais liberais.

tradução simultâneaA explicação é muito simples: não espere que nenhum veterano vá se entusiasmar com o CV de um jovem inexperiente. Aliás, qualquer cliente, em sã consciência, vai optar por um profissional com mais prática. E não adianta se indignar porque, pode acreditar em mim, você faria o mesmo! Ou você iria se consultar, por livre e espontânea vontade, com um médico que acabou de sair da faculdade? Você contrataria um arquiteto de 23 anos incompletos para projetar sua casa na praia? E nem me venha com esse papo de que é preciso dar oportunidades aos jovens porque não há tanta compaixão no mundo assim. Que o jovem cirurgião vá ganhar experiência operando outro. Fazer test drive na minha próstata, nem pensar! Nossa, quanta acidez! Olha a úlcera, Ulisses!

A única exceção ocorre quando há um volume muito grande de trabalho e somos obrigados a indicar e/ou contratar alguém com menos experiência. São as épocas de maré alta, quando todos os profissionais tarimbados estão ocupados. Aí sim, pode surgir uma oportunidade para aqueles jovens que se destacam de alguma maneira.

Não se esqueça, entretanto, de que a fonte mais provável de trabalhos costuma ser seu círculo de amizades, contatos profissionais e colegas de faculdade. Em outras palavras, a indicação é feita por alguém que conhece suas qualificações como tradutor ou intérprete. Ajuda bastante se você tiver outro curso superior, alguma especialização, enfim, algo que o diferencie da multidão.

Nunca pare de estudar seus idiomas de trabalho e, se mora no Brasil, dê atenção especial à língua portuguesa. Se possível, acrescente mais um idioma à sua combinação lingüística.

Cultura geral é imprescindível na nossa profissão. Leia como se fosse um verdadeiro rato de biblioteca mas não se limite à literatura. Leia jornais, revistas, blogs, assista a filmes e documentários sobre todos os assuntos possíveis e imagináveis. Tudo isso, é claro, nas línguas que você já fala ou começou a estudar. Tradutores e intérpretes são bichos curiosos por natureza e, para nós, não existe cultura inútil. Qualquer assunto pode aparecer no texto a ser traduzido ou na boca do orador: uma citação sobre mitologia, beisebol ou mexericos sobre celebridades. É importantíssimo estar antenado! O tempo todo!

Faça cursos profissionalizantes como o da Associação Alumni em São Paulo, por exemplo. A PUC e o UNIBERO, também em São Paulo, e a PUC-Rio, oferecem cursos de extensão. Informe-se, estude, participe de comunidades no Orkut sobre tradução e interpretação, amplie sua rede de contatos e boa sorte! Fácil não é mesmo, nem para os estudantes de medicina, arquitetura, direito, administração, psicologia…

Cf. Artigo: Sabe inglês? Vire tradutor…
Cf. Artigo: Sabe inglês? Vire intérprete…
Cf. Ainda sobre perguntas
Cf. Tradução Simultânea

O autor
Ulisses Wehby de Carvalho é intérprete de conferência, membro da APIC – Associação Profissional de Intérpretes de Conferência e da TAALS – The American Association of Language Specialists . Veja CV completo.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

30 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Francine
Francine
11 anos atrás

Olá,

Tenho interesse de ingressar no mercado de interprete. Tenho experiência de 5 anos no exterior, onde fiz high school nos USA e Universidade na Australia, além de ja ter lecionado inglês no Brasil e trabalhado com traduções escritas Entretanto gostaria de fazer um curso que não fosse universitário para aprimorar a técnica da tradução simultânea. Alguém poderia indicar algum?

Obrigado!

Bárbara
Bárbara
11 anos atrás

Olá Ulisses boa noite,

Sou profissional da área de Comercio Exteior, tenho inglês fluente e fiz curso no CNA alguns anos atrás e nunca parei de estudar o idioma, estudo por conta. Tenho uma grande desejo de trabalhar na area de tradução , ter dominio do idioma basta para ingressar na carreira de tradutor ? Ou é necessário fazer algum curso para aprimorar ? Minha segunda pós graduação é lingua Inglesa ? Enfim estou a procura informações sobre este mercado , como funciona ? Quais são os pré-requisitos ?

abraços

Maria Eugênia
11 anos atrás

Ok Ulisses, respeito a linha editorial do Teclasap. Mas reitero então o que disse acima. US$0.03 é preço bottom end do mercado, é dumping. Trabalho como tradutora e intérprete há 15 anos e me orgulho de nunca ter praticado preços irrisórios para conseguir trabalho. Quem optar por trabalhar por essa miséria saiba que poderia estar cobrando pelo menos 4 a 5 vezes mais (no mínimo isso quando vc trabalha para agências internacionais), porque essa é a prática no mercado profissional, pelo menos no par português-inglês. Ou seja, quem se vende por esse preço baixíssimo vai estar conquistando cliente ruim (que não remunera o tradutor corretamente), que divide a margem do que roubou do tradutor com o gerente de projetos na forma de bônus. Está dando um tiro no pé, puxando o mercado para baixo, tirando trabalhos dos seus próprios colegas e prejudicando o seu próprio futuro profissional. Para reflexão: quantos anos são necessários para vc aprender inglês bem o suficiente para traduzir? 0.03 por palavra paga esse esforço? Permite que vc viva do seu trabalho? Atualmente existem várias iniciativas de valorização do tradutor vejam por exemplo http://nopeanuts.wordpress.com/. É como eles dizem: IF YOU ARE NOT A MONKEY STOP WORKING FOR PEANUTS. E ainda deixo a ressalva que há que se PODE E DEVE cobrar mais ainda quando o cliente é direto. NUNCA SE ESQUEÇAM DE QUE o nosso é um trabalho intelectual árduo, que exige anos de estudo, cansativo e estressante. E QUE TUDO ISSO TEM UM CUSTO. E outra coisa eu posso garantir de experiência própria: SE VC FOR BOM MESMO, EXCELENTE TRADUTOR E EXCELENTE PROFISSIONAL, NUNCA VAI FALTAR TRABALHO, POR MAIS ALTOS QUE SEJAM OS SEUS PREÇOS EM RELAÇÃO À MÉDIA DO MERCADO.

Maria Eugênia
11 anos atrás

Ulisses

Por favor, apaga o post da menina que sugere 0.03 cents por palavra. Isso é dumping de mercado, quem ler pode pensar que esse é mesmo o preço. Tudo bem ela falar em desconto por ser iniciante, mas colocar esse preço sucateado como referência é demais.

Beijos
ME

Mila
Mila
11 anos atrás

Olá, gostaria de saber se há algum curso mais voltado para tradução francês/português. Procuro cursos (que não sejam universitários), mas acho apenas cursos voltados especificamente para o inglês e não para técnicas em geral. (Se é que isso é possível, pois não entendo – ainda – desse mercado).
Obrigada

Márcia
Márcia
12 anos atrás

Caro Ulisses
Moro no Rio de Janeiro, tenho um currículo bastante diversificado e quero conhecer as possibilidades de trabalho na área de tradução simultânea. Trabalhei como intérprete em uma pós-graduação internacional e adorei! Você conhece alguém com quem eu possa me corresponder para ter informações sobre cursos e mercado de trabalho no Rio?
Grata

Alicia
Alicia
13 anos atrás

Oi Ulisses,
Sou formada em tradução e interpretação em espanhol, inglês e português no Uruguai, meu país de origem. Moro em SP há dois anos, e trabalho como freelance para algumas empresas. No entanto, o mercado está muito difícil e competitivo. Alguma sugestão de curso de pós-graduação, (ou outra qualquer??) Obrigada, abraço!

Angelino Junior do Carmo
Angelino Junior do Carmo
13 anos atrás

Qual o melhor curso de tradução simultãnea no Brasil?

Aline
Aline
13 anos atrás

Olá !!!!! queria saber se vc conhece algum curso, para obter o certificado de tradutora em español.

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
13 anos atrás

Maria Paula,

Obrigado pelos dois comentários acima quem complementam muito bem o texto do post. Só gostaria de deixar claro que as minhas considerações se aplicam mais ao mercado de simultânea, ao passo que as suas podem funcionar no universo da tradução escrita.

Abraços a todos

Maria Paula
Maria Paula
13 anos atrás

Pessoal, em relação ao meu comentário anterior: cobrem US$ 0.03 por PALAVRA, ok? Não por lauda. É muito comum perguntarem nesses sites qual é a sua “rate per word” ou “word rate” (ou seja, quanto você cobra por palavra). Talvez também perguntem qual é a sua produção diária. O ideal é 2500 palavras por dia, mas algumas empresas talvez queiram que você faça de 3000 a 5000, dependendo do projeto. Fiquem atentos a isso antes de aceitar algo. Clientes estrangeiros respeitam muito honestidade e sinceridade.

Maria Paula
Maria Paula
13 anos atrás

Olá, pessoal. É bem como o Ulisses disse mesmo, mas há uma esperança no fim do túnel. Eu fiz um bom estágio durante a faculdade, mas ganhava muito pouco e decidi correr atrás de clientes e agências de tradução. O que eu fiz? O básico: comecei a “disparar” currículos por e-mail. Algumas empresas praticamente me ignoraram, outras responderem com um delicado “não”, outras davam a entender de que eu precisava de mais experiência. Mas há as agências que dão oportunidades para novos talentos exatamente porque podem nos doutrinar e moldar da forma que quiserem. Foi o que aconteceu comigo. Portanto, não desistam. E aí? O que fazer depois de receber o primeiro trabalho (que nem sempre será piedoso por você ter acabado de começar)? Estudar, estudar, estudar. Pesquisar, pesquisar, pesquisar. E tentar fazer o melhor possível. Sempre tente entregar o seu melhor trabalho. Tendo feito isso, pronto. Você provavelmente conseguiu um cliente fixo. Além disso, recorram a fóruns e sites especializados na comunidade de tradutores, como o proz.com, tradutores.com, gotranslators, translatorscafe.com, translatorsbase. Há a chance de conseguir bons clientes estrangeiros com enormes bancos de dados de tradutores (e sempre há a procura de mais) e criar sua reputação também pela quantidade de participações nos fóruns e indicação dos clientes que você for conseguindo. Não se esqueça de abrir uma conta no Paypal ou de autorizar na agência do seu banco que sua conta nacional receba depósitos internacionais, ou seu dinheiro vai ficar estacionado no purgatório!!! É muito importante oferecer uma dessas opções aos clientes estrangeiros, ok? As agências de tradução internacionais pagam pouco e demoram de 2 a 3 meses para pagar o tradutor, mas pode ser uma boa opção para conseguir experiência. Comece cobrando US$ 0.03 (sim, só isso) para se destacar entre as outras várias ofertas. É possível até trabalhar para uma agência apenas, pois algumas têm um volume de trabalho bem grande. Ficou compridíssimo esse meu “comentário”, mas espero ter ajudado meus colegas tradutores. A beleza de ser tradutor sempre será essa troca de informação.

juliana leite
juliana leite
13 anos atrás

Quando vc diz “combinação lingüística” vc se refere ao quê?!

Isso vc diz no geral?Para outras pessoa,né?Pq você COM CERTEZA tem essa bemmm definido…penso eu!!

Entendi o restante das explicações….algumas só rindo mesmo!! 😛

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
13 anos atrás

Obrigado pelo comentário. O fato de eu não ter trabalhado durante esse período, não significa dizer, necessariamente, que o mercado está desaquecido para todos. É comum termos, ao mesmo tempo, algumas pessoas trabalhando mais e outras menos. As razões são várias: a tua combinação lingüística não está sendo muito procurada; grau de competência; sorte; disponibilidade na agenda porque às vezes aparecem 3 convites para o mesmo dia e você só pode aceitar 1. Não adianta estar livre nos outros 4 dias da semana etc. Em suma, é tanta coisa que pode acontecer que nem vale a pena tentar descobrir. Engraçado é que um colega às vezes não te convida para um trabalho em cima da hora porque pensa assim: “Fulano? Não. Ele deve estar ocupado!” E o você de repente está em casa de pijama… é mole? Até isso pode acontecer!

Abraços a todos

juliana leite
juliana leite
13 anos atrás

Você,Ulisses atribui essa dificuldade (no caso dos tradutores)a qual fator?!

Que inclusive atingiu você,como vc comenta que ficou 43 dias sem serviço,no outro texto!

xoxo