Tradução simultânea em aldeia indígena

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Ulisses Wehby de Carvalho

Todo trabalho de tradução simultânea é especial, mas alguns são mais especiais que outros. 😉 Costumo dizer que o intérprete é, na verdade, um engenheiro que constrói pontes entre duas culturas. Ele estabelece o elo entre duas ou mais pessoas que não conseguiriam se comunicar de outra forma. Na grande maioria das vezes, no entanto, facilitamos a comunicação entre indivíduos que têm entre si diversas semelhanças, apesar da evidente barreira linguística. Não foi o que aconteceu na semana passada.

Em virtude da Rio+20, muitas autoridades de diversos países vieram ao Brasil. Na semana anterior à conferência sobre o ambiente, tive o prazer de trabalhar como intérprete acompanhando uma delegação estrangeira em uma série de compromissos no sul da Bahia. Uma das atividades era a visita à Reserva da Jaqueira, uma aldeia indígena da tribo Pataxó, localizada nos arredores de Porto Seguro. É evidente que a cacique Nitynawã Pataxó, que aparece na foto abaixo, falou em muito bom português. Muito clara em sua exposição, não tive dificuldades para transmitir suas palavras aos convidados estrangeiros que ouviam atentamente.

A modalidade que utilizei foi a interpretação simultânea com o uso de equipamento portátil. Na foto seguinte, podemos ver claramente o receptor sem fio na cintura do cacique Aruã da aldeia Pataxó de Coroa Vermelha, presidente da Federação Indígena das Nações Pataxó e Tupinambá do Sul da Bahia. A colega que aparece na foto é Patrícia Pick, minha amiga pessoal e também minha sócia no EIC – Escritório de Intérpretes de Conferência.

CfTradução Simultânea: O equipamento portátil

tradução simultânea em aldeia indígena

São experiências como essa que me fazem sentir orgulho da profissão que abracei há quase 20 anos. Em um mundo com tanta confusão e mal-entendidos, dar uma pequena contribuição para fazer gente se entender é muito gratificante. Nada supera a sensação do dever cumprido. Awery! (“Obrigado”, na língua pataxó.)

Embarco dentro de mais algumas horas para Chicago para fazer, adivinhe, outro trabalho especial. Depois eu volto para contar como foi. Até breve!

Cf. Simultânea no Palácio dos Bandeirantes
Cf. Simultânea do show do Marco Luque

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] Cf. Tradução simultânea em aldeia indígena […]

Rosi
Rosi
9 anos atrás

Estou no 1º ano de tradutor e Interprete, acho maravilhosas as conexões que podem ser feitas entre várias culturas diferentes. É uma pena que haja tão poucos relatos públicos sobre esta profissão e uma dificuldade de interação tão grande neste mundo fechado de tradutores e interpretes. Muito obrigada por compartilhar sua experiência conosco, é fantástico. Parabéns.

Taciane
Taciane
9 anos atrás

É uma profissão maravilhosa, realmente, especialmente em momentos como esse. Parabéns mais uma vez pelo belo trabalho!

Vinicius
Vinicius
9 anos atrás

Incrível, Ulisses. Parabéns pelo trabalho. São relatos assim que nos dão energia para seguir em frente.

Maíra Monteiro
9 anos atrás

Nossa, que incrível! Este é o meu sonho como intérprete: dar voz à sabedoria das tribos indígenas do Brasil. Muito legal saber que há profissionais do bem fazendo isso. 🙂

Malu
Malu
9 anos atrás

que bárbaro, Ulisses! parabéns!

Gabriela
Gabriela
9 anos atrás

Falta 1 ano e meio para terminar minha faculdade de Tradutor e Intérprete e cada vez que eu vejo uma matéria como esta, fico mais certa de que amo esta profissão e darei o meu melhor em cada trabalho!

Danilo
Danilo
9 anos atrás

Há 6 anos atrás tive a oportunidade de conhecer esta tribo indígena, quando estive a passeio em Porto Seguro. Eles tem feito um trabalho muito legal de resgate da cultura Pataxó. Deve ter sido gratificante fazer este trabalho.