Medo

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Ulisses Wehby de Carvalho

Não sei se você se lembra, mas escrevi um post em 2007 para contar que eu iria fazer uma tatuagem. Eu disse também que a intenção era homenagear meu irmão, falecido em 1996 e que tinha um tigre tatuado no braço. Aproveitei para publicar um texto dele, que encontrei procurando documentos antigos naquela mesma época. Os detalhes dessa história e o texto “Aconteceu”, você lê em “Ortografia: Tatuagem“.

Voltando a 2013, aconteceu de novo! Fiz a segunda sessão para reforçar os traços da tatuagem há poucas semanas para ela receber as cores e, ontem, procurando mais uma vez por documentos antigos, encontrei outro texto do Paulo. Spooky! 🙂 A redação, que não está datada, deve ser da época de cursinho, no início da década de 80.

Com toda sinceridade, não vejo nada demais nessas coincidências. Só acho mesmo muito bons os textos dele e mais nada! Só por isso, resolvi também mostrar este para você. Depois me diga o que achou nos comentários.

Van Gogh - Campo de trigo

Medo

A noite se antecipou. Os homens não a esperavam quando ela desabou sobre a cidade com nuvens carregadas. Ainda não estavam acesas as luzes quando o vento trouxe a tempestade.

Via-se nitidamente o medo estampado nos rostos daqueles que, afoitos como animais selvagens, buscavam abrigo. Nas lojas, igrejas e até mesmo em residências estranhas. Não tão estranhas naquela tarde, graças à solidariedade, presenteada por Deus, a todos os homens frente às grandes calamidades.

O cheiro da chuva vindoura, misturado ao suor gelado das pessoas que se lembravam da última enchente, confundia as narinas sempre atentas dos cachorros de plantão, que caminhavam sérios, sentindo sob as patas os tremores causados pelos tambores celestes, que anunciavam o holocausto.

Poucos minutos se passaram e já não se ouvia um só ruído, voz ou latido, enquanto a tempestade, de nuvens pesadas, passava, desabando afinal nos campos de trigo, que a receberam calmamente, sem medos e sem abrigo.

Paulo Wehby de Carvalho

As duas únicas observações da Beth, a professora que corrigiu o texto, foram as seguintes: “Centralize” (no título) e uma vírgula no terceiro parágrafo. Em letras vermelhas, ela finaliza: “Conteúdo muito bom. Linguagem fluente. Parabéns!”. Você concorda com ela? 😉

Cf. Vocabulário: Irmãos
Cf. O que “RAINMAKER” significa?
Cf. Phrasal Verbs: Parar / Diminuir (chuva)
Cf. Por falar em chuva…

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

20 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mônica
Mônica
8 anos atrás

Gostei muito do texto, muito bem escrito e emotivo…

Juliana
Juliana
8 anos atrás

Simplesmente incrível! Sobre o seu comentário “Estava difícil enxergar a tela com os olhos marejados…”, emocionei-me. Tenho uma irmã 2 anos mais nova que eu, que é o presente mais maravilhoso que já ganhei, e imagino a dor da sua perda. Anos e anos se passam e a saudade sempre fica.

Grande abraço pra você 🙂

Marco Antonio
Marco Antonio
8 anos atrás

Ótimo texto Ulisses,

Parabéns para o seu irmão e a você por nos ajudar. Obrigado de coração.
Tenho certeza que seu irmão está feliz por compartilhar este texto conosco.

Abraço Prof. Ulisses

Eliana
Eliana
8 anos atrás

Lindo texto! Ele deve ter sido e é muiti especial. Sinto muito por tê-lo perdido, pelo menos, um pouquinho…Obrigada por comportilhar esse e muitos posts seus. Agredito que assim como seu irmào vc também é especial. Obrigada por tudo que aprendi com vc…

Débora Guimarães
Débora Guimarães
8 anos atrás

Ulisses,

Você realmente deve se orgulhar ainda hoje de seu irmão. Que belíssimo texto!! Concordo plenamente com cada observação da professora dele. Certamente podemos sentir cada palavra descrita por ele.

Magnífico!!!!

Anna Karol
Anna Karol
8 anos atrás

” sem medos, sem abrigo”
É até sensual! Muito bonito como ele descreve a terra ( o trigo) recebendo a chuva.

Jurandyr M. de Araujo Junior

Bela interpretação dos magníficos fenômenos da natureza e de nossas reações diante deles, que deve ser de máxima cautela, nós brasileiros de curta memória, podemos nos remeter a uma descrição do Conde D’eu durante a guerra do Paragaui, nela o ilustre cidadão, nomeado chefe das forças de coligação, após a saída de Caxias, que não considerava a campanha digna de um militar de seu calibre, descreve um pavoroso temporal que se abateu sobre as forças acantonadas em determinado sítio, e então se refere às milícias celestes em formação de combate, e ao troar apavorante de seus canhões, é um belo texto, não é para todos descrever tais fenômenos.
Abraços.

Regina Feitoza
Regina Feitoza
8 anos atrás

Muito bem escrito, pude sentir toda a sensação da vinda da grande chuva!

Malu Cumo
Malu Cumo
8 anos atrás

Muito bom!

Roberto Morais
8 anos atrás

Seu irmão tinha um grande potencial para escritor, como sou espirita creio que ele esteja desenvolvendo isto no além, pois tive a impressão que ele é falecido, se estiver entendido errado peço desculpas! Deve publicar a obra dele, eternizar como disse Alecssandro Brandão anteriormente. Abraço e manda o convite da publicação do livro!

cristina carvalho
cristina carvalho
8 anos atrás

No segundo parágrafo, linha 2, onde se lê “aninais”, leia-se “animais”. No terceiro parágrafo, linha 3, onde se “temores” não seria “tremores”? Meros deslizes de digitação. O texto é excelente.

Maria Pires
Maria Pires
8 anos atrás

Excelente texto! Denota maturidade emocional, capacidade de sentir, sensibilidade aflorando… mas essas pessoas sofrem mais do que a maioria da humanidade, portadora de insensibilidade, ganância e tantos males tão visíveis nos dias de hoje…
Por favor, Ulisses, encontrando mais material tão rico como esse, repasse-o: só fará bem a quem o ler!

Abração,

Maria 09/03/13

Lílian
8 anos atrás

Eu senti a realidade narrada como se visse as imagens de um filme, ou uma reportagem na tv. Ótimo!

Cassia Penteado - Alumni
Cassia Penteado - Alumni
8 anos atrás

Sim, concordo com ela. Belo texto!Mais bonita ainda sua atitude, seu carinho por seu irmão.

Íris Urbinati
Íris Urbinati
8 anos atrás

(Coincidências não existem, Ulisses.)
O texto é lindo. Bem escrito e bem sentido. Algo que se pode ler, além das entrelinhas. Quase dá pra sentir as gotas de chuva. Estou certa de que a Professora viu todo o potencial do Paulo. Você tem um Big Brother! Abraços.

Alessandro Brandão
8 anos atrás

Muito bem escrito, digno de ser eternizado num livro.

Adriana Pereira Santos
Adriana Pereira Santos
8 anos atrás

Arte… Com certeza… It’s all around…

Clariana
Clariana
8 anos atrás

Eu achei ótima!E linda!