Fracionamento: por que intérpretes profissionais não cobram por hora?

Tempo de leitura: 2 minutos

Fracionamento by Ulisses Wehby de Carvalho

Fracionamento de tarifa

fracionamento

Fracionamento ou por que não cobrar por hora?

Suponho que você já tenha andado de táxi e esteja familiarizado com o conceito de “bandeirada”. Trata-se de uma tarifa mínima cobrada pelos taxistas de todo o mundo. Quem anda de táxi já se acostumou a ver o valor aparecer no taxímetro assim que ele é ligado.

A tradução simultânea também tem a sua “bandeirada”. Ao saberem que os intérpretes profissionais atuam em jornadas de trabalho que têm a duração de seis horas, muitos leigos acabam dividindo a tarifa por seis para calcularem o valor por hora. Mas acontece que não trabalhamos por hora. Não fracionamos nossa tarifa porque, diferentemente dos taxistas que podem fazer diversas corridas numa manhã, em tese, nós só fazemos um evento por dia.

Não há fracionamento de tarifa!

Portanto, se um determinado evento tiver, por exemplo, três horas, cobraremos as seis horas da diária porque é pouquíssimo provável que encontremos um segundo trabalho de três horas no mesmo dia e em horário que não coincida com o primeiro. Se me comprometi com um cliente e aceitei um trabalho, independente de sua duração, minha agenda está bloqueada. Não vou aceitar outros convites, por mais atraentes que possam parecer. É evidente que não vou sair de um trabalho de, por exemplo, duas horas, para aceitar outro de, digamos, sete horas e deixar o primeiro cliente na mão. Isso não é profissionalismo! Se cobrássemos por hora, essa tentação seria quase irresistível.

Enfim, se for contratar intérpretes para seu evento, procure por profissionais sérios, competentes e que tenham experiência comprovada. Tenho certeza de que você receberá toda a orientação necessária. Não estranhe se houver na proposta a cobrança de seis horas de trabalho, mesmo se a duração do evento for menor. Desconfie de quem cobra por hora, pois você estará colocando em risco o sucesso de seu evento.

O maior erro de pronúncia em inglês

Assista ao vídeo e conheça o principal erro de pronúncia em inglês e saiba como evitá-lo. A vogal de apoio é a marca registrada do sotaque brasileiro e o problema pode, sim, ser resolvido. Aperfeiçoe sua pronúncia em inglês com as dicas do Tecla SAP.

Curta e compartilhe o vídeo com os amigos. Clique aqui e confirme para se inscrever gratuitamente no canal do Tecla SAP no YouTube. Bons estudos!

Cf. Tradutor e intérprete: como se tornar um profissional da área?

Cf. Oscar, Tradução Simultânea e o Porta dos Fundos

Cf. Tradução Simultânea: O equipamento portátil

Speak up! We’re listening…

Você gostou de saber por que os intérpretes não cobram seus serviços por hora? Ficou claro por que não há fracionamento da tarifa? Expresse sua opinião na seção de comentários, por favor. Muito obrigado pela participação.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

13 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Frederico
9 anos atrás

Foi interessante saber desse ponto de sua profissão. Eu não conhecia essa “bandeirada” dos tradutores. Mas faz sentido seu raciocínio. Querendo ou não, os eventos podem começar um pouco mais cedo ou acabar mais tarde. Os oradores, às vezes, são breves; outras vezes, eles dão uma de Fidel Castro e falam, falam, falam… E nos eventos nos quais os convidados podem fazer perguntas ao orador, esse evento se prolonga ainda mais. Então, faz sentido dá um espaço de tempo de 6 horas, mesmo que não se use o tempo todo do tradutor. Um organizador de eventos que seja responsável deve ter um tradutor para além da hora do evento para garantir o sucesso do acontecimento.

Maria Eugênia Farré
9 anos atrás

Ulisses, outra coisa que as pessoas deveriam saber quanto ao valor da tarifa é que não é só o tempo da apresentação que conta. Quantas vezes já não passei o dia anterior inteirinho estudando as palestras de um evento? Muitas!

Maria Eugênia Farré
9 anos atrás

Ulisses, vc sabe que eu te adoro sempre, não fico brava nem se vc falar que eu sou um liquidificador Walita? Mas ainda assim prefiro ser a Shakira! 🙂

Maria Eugênia Farré
9 anos atrás

Oi Ulisses

Achei ótimo o post, só não gostei muito da comparação com o taxista, acho que melhor do que o taxista para fins de comparação é o performer, um artista, músico ou apresentador que ganha pela apresentação, e não por hora.

Beijocas
ME

Manuel Sant'Iago Ribeiro
Manuel Sant'Iago Ribeiro
9 anos atrás

Oi Ulisses 🙂 … um ângulo sobre o qual eu costumo chamar a atenção dos clientes mais renitentes a compreender a razão do fraccionamento é a circunstância frequentíssima de atrasos ou antecipações, ie uma 1ª conferência (se aceitássemos duas num dia) acabar mais tarde ou uma 2ª querer começar mais cedo (além dos tempos de transporte e antecipação sobre o horário da 2ª)… qual das duas ficaria sem intérpretes o tempo todo?! Aí costumam começamar a compreender 😉 … e se necessário uma flor no preço diário usually sweetens the pill, por ex. menos 10% do que seria normal cobrar por um dia normal, por até meio-dia de trabalho.

Manuel Sant'Iago Ribeiro
Manuel Sant'Iago Ribeiro
9 anos atrás

sorry, ” a razão do NÃO-fraccionamento”

Andre Souza
Andre Souza
9 anos atrás

Excelente postagem, Ulisses.

Essa não é, naturalmente, minha área de atuação profissional nem minha necessidade (não tenho a menor proximidade com organização de eventos), mas apoio completamente iniciativas éticas, honestas e coerentes contra a “prostituição” de qualquer setor de trabalho.

Atravessadores e “entendidos-metidos-a-faz-tudo” existem em todas as áreas, baixando o nível geral de qualidade e prejudicando os profissionais que realmente se dedicam a fazer um bom trabalho.