TEACHER x PROFESSOR: existe diferença entre elas? Qual?

Tempo de leitura: 2 minutos

Teacher x Professor by Ulisses Wehby de Carvalho

TEACHER x PROFESSOR

teacher x professor

TEACHER x PROFESSOR

Em geral, o termo professor, em inglês, serve apenas para designarmos o “professor universtário” ou a “professora universitária”. Para designar o profissional capacitado para lecionar, opte por teacher. Diferentemente de teacher, no entanto, professor pode ser pronome de tratamento, sendo acompanhado pelo nome completo, pelo sobrenome ou usado isoladamente, como podemos observar no primeiro exemplo.

  • Professor / Professor Parker, can I turn in my assignment next Monday? (University)
  • Professora, posso entregar meu trabalho na segunda que vem?
  • Ms. Brown, can I turn in my assignment next Monday? (School)
  • Professora, posso entregar meu trabalho na segunda que vem?

Portanto, evite usar teacher como vocativo, ou seja, a palavra que usamos para chamar a atenção da pessoa com quem vamos falar. Se precisar se dirigir ao seu professor ou à sua professora de inglês, prefira dizer nome ou sobrenome e esqueça de teacher nessa hora. Sei que é difícil abandonar hábitos antigos, mas você vai conseguir, não vai? 😉


A pronúncia de teacher x professor

Clique para ouvir as pronúncias americana e a britânica de teacher e as pronúncias americana e a britânica de professor. A fonte de consulta é o Macmillan Dictionary. Para ouvir nativos pronunciando teacher x professor em situações reais, vá ao site YouGlish, digite uma das duas palavras e espere a ferramenta fazer uma busca em vídeos do YouTube. Você tem a opção de escolher três pronúncias diferentes: americana, britânica e australiana. Bons estudos!


Não chame o/a professor/a de Teacher!

Assista ao vídeo “NUNCA chame seu professor de TEACHER | QUICK TIP #08”, do excelente canal Small Advantages do Gavin Roy, para conferir por que não chamamos o professor ou a professora de teacher. Tenho certeza de que você não vai mais confundir a dupla teacher x professor!

Escreva um comentário lá no Small Advantages com a hashtag #teclasap para sabermos que você assistiu ao vídeo pela indicação do Tecla SAP. Muito obrigado!

Speak up! We’re listening…

Nós do Tecla SAP gostaríamos muito de saber se você já conhecia a diferença entre teacher x professor. Gostou das dicas? Por favor, envie comentário no rodapé da página dizendo o que você achou. Muito obrigado pela participação.

Referência

Guia Tecla SAP: Armadilhas de Tradução, de Ulisses Wehby de Carvalho – © Tecla SAP, 2013. Leia a resenha.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

72 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] Cf. TEACHER x PROFESSOR: existe diferença entre elas? Qual? […]

Rosemara
Rosemara
4 anos atrás

Boa tarde!
Eu tenho uma dúvida.
Elaborando uma avaliação/prova, qual usarei no cabeçalho?
Alguém sabe me dizer, como os americanos (especialmente) costumam colocar?
Obrigada!!! E perdoem-me se a pergunta é muito boba.

Laís
Laís
4 anos atrás

Olá Ulisses, tudo bem?
No texto acima você disse que o termo professor refere-se ao professor/professora da universidade, porém existe outra forma para se chamar uma professora de pós-graduação, por exemplo, de modo que a frase fique mais formal? No caso, o termo “mistress” tornaria a frase mais elegante e mais adequada do que somente “professor”?
Obrigada pela atenção 🙂

Laís

trackback

[…] que realiza uma ação. Os exemplos são inúmeros tanto com “ER”: “TEACH” (ensinar) – “TEACHER” (professor), “DRIVE” (dirigir) – “DRIVER” (motorista), “BUY” (comprar) – […]

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás

Gildo, tudo bem?

Obrigado pela gentileza de comentar. Volte sempre!

Abraços

Isabel
Isabel
5 anos atrás

Olá Ulisses

Muito interessante este texto. Eu acho muito importante deixar claro esta diferença.

Parecem detalhes insignificantes, mas como você já disse em comentários anteriores, é importante sabermos disso para evitarmos gafes. Como aconteceu comigo em uma conferência internacional. Eu estava conversando com um pesquisador estrangeiro e o chamei de “Professor Jhon”, ao que respondeu:

“Please call me John. I´m not a professor yet.”

Ele era professor em uma universidade, mas o que ele quis dizer é que ele ainda não era “full professor”.

Depois eu fui pesquisar e descobri que na área acadêmica nem todo professor universitário é “professor” (full professor). Professores universitários iniciantes são chamados “Assistant Professor”. Após alguns anos, um “Assistant Professor” pode ser promovido a “Associate Professor” e, depois de mais alguns anos de experiência um “Associate professor” recebe o título de “Full Professor” ou simplesmente “Professor”.

Para nós, no Brasil, o título de “professor” (ou “full professor”) seria equivalente ao título de professor titular de uma universidade. Portanto, se for levar ao pé da letra, nem todos os professores universitário têm o título de “professor”, apenas os titulares.

Abraços
Isabel

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás
Reply to  Isabel

Isabel, tudo bem?

Muito obrigado por contribuir com informações muito relevantes ao tema do post. Tenho certeza de que a sua contribuição ajuda a sanar várias dúvidas dos leitores do blog. A força da comunidade é de fato impressionante.

Volte mais vezes e comente sempre que puder. Muito obrigado!

Abraços

José Ricardo dos Santos Júnior
José Ricardo dos Santos Júnior
5 anos atrás

Boa tarde Ulisses, eu tenho duas perguntas, eu estudo no CLAC(Curso de idiomas da UFRJ), eu posso chamar o professor ou a professora também pelo nome?
Por exemplo: Fernanda, eu posso entregar a writing task semana que vem?
A minha outra pergunta é: Pode-se fazer o mesmo com professores do ensino médio e do ensino básico? Eu tenho que chamá-los, como o senhor disse:”sr ou sra mais o sobrenome?

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás

José Ricardo, tudo bem?

Obrigado pelo interesse no Tecla SAP. Não há regra. Quem define se você chama pelo primeiro nome ou pelo sobrenome é o/a professor/a.

Abraços

José Ricardo dos Santos Júnior
José Ricardo dos Santos Júnior
5 anos atrás

Muito obrigado por me responder mestre!
Abraços!
Take care.

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás

Antonio, tudo bem?

Obrigado pela resposta. Não encontrei nenhum cadastro feito com o seu e-mail (o que você usou para escrever esse comentário). Essa forma de pagamento é feita via PayPal. Na data de vencimento, o débito é feito em sua conta no PayPal.

Abraços

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás

Humberto, tudo bem?

Obrigado pelo comentário. Sua situação é, pela própria natureza da função que você exercia, diferente da de um professor que tem contato constante com os alunos, como o professor da escola primária ou o de inglês em curso particular.

Deduzo (me corrija se eu estiver equivocado) que o instrutor de ski é quase anônimo por ter contato apenas com seus alunos por pouco tempo, um fim de semana? Não é possível, portanto, existir uma relação mais duradoura como entre alunos e professores que se veem, no mínimo, uma vez por semana durante alguns meses.

Acho que é por aí. O espaço continua aberto para quem mais quiser opinar, é claro!

Abraços

antonio gomes lacerd
antonio gomes lacerd
5 anos atrás

Ulisses, como eu pagarei? Através de boletos?

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás

Antonio, tudo bem?

Obrigado pelo interesse. O Tecla SAP oferece diversos produtos (e-books) e alguns programas. A qual deles você se refere?

Abraços

Beatriz Rodrigues
Beatriz Rodrigues
5 anos atrás

Acabo nunca comentando por que sempre leio pelo celular e já sabe como é escrever por aqui, mas vou largar a preguiça de lado e vou começar a fazê-lo.
Mais uma dica sensacional, ás vezes pode parecer pouco um dica dessas para algumas pessoas que já sabem disso, mas para quem não, é como se fosse uma informação ultra secreta aberta para o público.
kkkkk
Sei, exagerei. Mas sim, essas pequenas dicas ajudam muito.
Obrigada Ulisses.

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
5 anos atrás

Beatriz, como vai?

Muito obrigado pelas palavras gentis. Agradeço de coração a gentileza de expressar sua opinião. Também detesto digitar no celular… 😉

Abraços

trackback

[…] PROFESSOR = professor (universitário) Cf. TEACHER x PROFESSOR: existe diferença entre elas? Qual? […]

Andre Bonfim
Andre Bonfim
6 anos atrás

Interessante o assunto ao ler os comentários ficou mais claro que usamos Teacher no Brasil e nos Estados Unidos usa Mr. e Mrs seguido do sobrenome! Vou comentar na minha aula de inglês que faço aqui em São Paulo, sempre acho que devemos aprender inglês com nativos ou quem morou fora para saber destas diferenças do inglês usado lá fora.

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás

Zé Ricardo, tudo bem?

Ao se referir à profissão, não há dúvida: use “teacher”. I was a volunteer teacher at… (nome da instituição).

Abraços

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás

Hi Edna,

Thank you! See you around…

Take care

Malana
Malana
6 anos atrás

Gostei muito da dica !

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás
Reply to  Malana

Malana,

Gostei muito do seu comentário! 😉 Volte mais vezes.

Abraços

Maria Dalvaci
Maria Dalvaci
6 anos atrás

Excelente postagem agora vejo com errei muitas vezes

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás

Dana, tudo bom?

Obrigado pela contribuição. Faltou dizer onde fica a Agência de Exportações. Não precisa dizer o endereço, é claro, mas somente se é no Brasil ou em algum país de língua inglesa.

Só reiterando a informação: “Teacher” não é vocativo nos países de língua inglesa. Essa é prática arraigada no Brasil apenas.

Abraços

Dana Ana Dantas
Dana Ana Dantas
6 anos atrás

Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) que atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Agora não falta mais, Ulisses! Abraço!

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás

Dana,

Entendo. Vocês estão no Brasil. Obrigado pela informação.

BTW, já trabalhei como intérprete para a APEX algumas vezes.

Abraços

Dana Ana Dantas
Dana Ana Dantas
6 anos atrás

Entendo essa recomendação do SAP, afinal é como se fosse normal que nosso professor ficasse nos chamando por ‘aluna’ o tempo todo. Mas só internalizei isso depois de assistir a todos os episódios do seriado FRIENDS justamente estudando inglês. O personagem ROSS sempre procura deixar claro que ele não é teacher, é Professor. Adoro aquele cara! Abraços.

Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás

Dana, tudo bem?

Obrigado pelo comentário. “Friends” continua formando mais alunos do que muita escola de inglês por aí… 😉

Raphael Souza de Melo
Raphael Souza de Melo
6 anos atrás

Olá Marissol,

Creio que seu ponto (e o de Mr. Canagarajah) é um tópico interessantíssimo em linguística a ser debatido – que é a sobreposição do idioma adquirido à língua materna e aos costumes do aluno.

Acredito que o aluno não deve abrir mão de seus costumes e sua bagagem cultural durante o processo de aquisição de uma segunda língua ou até mesmo quando está praticando esta, seja por fala, escrita, ou até mesmo recebendo uma informação numa língua estrangeira.

Contudo, eu também acredito que para que se evite maus entendidos, gafes e possíveis transtornos, ao se utilizar de uma língua estrangeira, o indivíduo deve ter em mente que aquele idioma está atrelado a uma outra bagagem cultural, outros costumes e normas sociais, afinal ele surgiu, se formou e continua em formação em outra sociedade, contexto e etc. Diferentemente do idioma nativo do aluno.

A meu ver, não é razoável, tentar fazer adaptações, eu diria que até “gambiarras” num idioma para que este não cause um choque muito grande no aluno (o afamado, Choque Cultural). Não se deve querer aportuguesar ou espanholizar uma língua, por exemplo, simplesmente para torná-lo mais agradável ou adequá-lo aos costumes de quem o está estudando. O idioma é o que é e ponto.

Até!

Angelo
Angelo
6 anos atrás

Excelente colocação, Raphael!
Também acredito nisto.