Tradução Simultânea Profissional x Quebra-galho

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Ulisses Wehby de Carvalho

Volto a tocar no assunto porque o problema aconteceu mais uma vez. Já escrevi texto sobre a confusão frequente que é feita entre tradução simultânea profissional (também chamada de “interpretação de conferência” e “interpretação simultânea”) e as soluções capengas adotadas por algumas emissoras de TV. Já passou da hora de dirimirmos essa dúvida. No texto “Pseudo-Tradução Simultânea? O que é isso?“, trato do que aconteceu durante a transmissão da primeira coletiva de imprensa de Barack Obama.

Fiz hoje a tradução simultânea da transmissão do funeral de Michael Jackson pelo BandNews. Como sempre acontece em eventos dessa natureza, a repercussão é muito grande e a atividade ganha uma dimensão que vai muito além dos auditórios e das salas de reunião onde costumamos trabalhar.

tomboFico chateado quando leio críticas à tradução simultânea em geral, quando, na verdade, esses comentários negativos deveriam ser dirigidos exclusivamente a jornalistas que “viram” pseudo-intérpretes da noite para o dia. Seria mais ou menos como andar em uma Brasília 1979 e depois reclamar dizendo que carro alemão não presta! Não estou querendo dar uma de gostoso e me comparar a uma BMW ou a uma Mercedes. Tanto isso é verdade que estou dando a cara a tapa para receber críticas ao trabalho de hoje. É evidente que houve falhas e eventuais omissões, inerentes à profissão que abracei há mais de 15 anos. Quem acha que simultânea sai perfeitinha como se fosse uma tradução escrita, nunca pôs os pés em uma cabine. Perceber um errinho aqui e outro ali é moleza quando se está sentado confortavelmente na poltrona de casa. Outra coisa bem diferente é estar ali no calor do momento, sem roteiro, sem o texto do discurso em mãos, sem dicionários nem glossários.

Portanto, é mais do que natural acontecerem alguns deslizes, até mesmo na tradução feita por profissionais. Sair de um “tiroteio” contra 25 bandidos só com um arranhãozinho no rosto é coisa para Clint Eastwood.

Já pensou se um advogado “virasse” VJ na MTV ou se um engenheiro se metesse a apresentar telejornal na TV Globo? Não seria mais ou menos como jornalista fazer interpretação simultânea?

Cf. Discurso de Barack Obama no Rio de Janeiro

Abraços a todos

Acompanhe as dicas do blog no Facebook ou no Twitter.

PS: Pelo que soube, além do BandNews, somente a Globo News contratou intérpretes profissionais.

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

36 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ulisses Wehby de Carvalho
Ulisses Wehby de Carvalho
6 anos atrás

EdMarrie, tudo bem?

Obrigado pelo comentário. Por favor, envie sua pergunta no Fórum Tecla SAP em https://www.teclasap.com.br/forum/ . Há uma área específica para tradução simultânea. Obrigado.

Abraços

Sávio
Sávio
9 anos atrás

Nada a ver o comentário crítico do Aristóteles acima. Cara, o Ulisses apenas fez uma comparação usando um objeto aleatório, não tem nada a ver incluir seu sentimentalismo pelo seu carro 1979. Sinceramente sua indignação pelo uso da metáfora não tem nenhum cabimento e não tem lugar aqui no contexto.

aristoteles
aristoteles
10 anos atrás

seu artigo esta muito bom. somente discordo desta parte:

“Seria mais ou menos como andar em uma Brasília 1979 e depois reclamar dizendo que carro alemão não presta!”

Ora meu caro amigo, não pode-se generalizar, tenho uma Brasilia, pertencente ao meu falecido pai, ano 1979. A mesma esta impecavel e anda circulando normamalmente, sempre bem tratada no aspecto lataria e motor.Assim como voce, existe pessoas que intitulam-se a dona da verdade e talvez voce seja uma delas que não valçori9zam as coisas de seu pais. e claro ela teve sua epoca, mas desempenhou seu papel. cuidado com as compárações ou ,metaforas.

Ueritom
7 anos atrás
Reply to  aristoteles

O que você falou não faz sentido nenhum, Aristóteles..

Larissa Benevides
12 anos atrás

Ulisses,

acabei de assistir a sua entrevista no Jo pelo youtube…muito divertido. Abraco
Larissa

Larissa Benevides
12 anos atrás

Oi Ulysses,
meu nome é Larissa Benevides e sou solidaria a seu sentimento de repudia as criticas injustas feitas ao interprete simultaneo. Sou sua colega e trabalho com muita consciencia da minha falibilidade, embora eternamente comprometida a oferecer a melhor traducao para a audiencia, dentro do possivel. Tenho lido seu blog e tentarei contribuir no que puder para enriquecer ainda mais esse pitoresco espaco para uma boa conversa. Um grande abraco e boa sorte.

Patricia Rocha
Patricia Rocha
12 anos atrás

Ahh, que isso, difícil falar para os colegas na ATA!!!!!!!
Você tem muito CARISMA… é sempre muito divertido ouvir as suas palestras, sempre damos boas risadas contigo, além de aprendermos coisas bacanas…

E… corrigindo o meu erro lá em cima.. Looking forward to listenING to you at ATA….
Beijo

Miriam Keller
12 anos atrás

Ulisses: tenho uma grande amiga (SMurayama) que é intérprete, inclusive simultânea, e tradutora. Conheço a Sandra desde o colégio, portanto sei quanto ela é profissional, quanto se prepara para cada trabalho. Sempre digo a ela: jamais faria seu trabalho, para mim é como ser piloto de Fórmula 1, pois a adrenalina é grande sempre. Claro, que isso se você é um bom profissional, como no caso dela, e seu, acredito. Mas para quem está de fora, parece tudo fácil, que os enganos, erros podem perfeitamente ser evitados. Que engano. Sugiro a essas pessoas um exercício simples: com alguém falando em português mesmo, tento ir repetindo logo após o que a pessoa disse. Veja se consegue. Duvido! Imagine então em outra língua, muitas vezes sem receber material prévio, com gente improvisando, e às vezes mal – porque não é porque está em inglês, francês, etc., que foi bem dito, verbalizado. Há os "paraquedistas" e esses,sim, devem ser não só criticados para abolidos do cenário.

Érica
Érica
12 anos atrás

Olá, Olisses!
Bem-vindo ao sentimento que boa parte dos jornalistas está sentindo após a queda da obrigatoriedade do diploma na profissão.
Como jornalista, entendo perfeitamente e compartilho da sua frustração, mas acho que, neste caso que você citou, cabe o clichê “don’t hate the player, hate the game”: talvez o jornalista tenha sido designado pelo diretor do programa para fazer a tradução simultânea e não teve alternativa se não fazê-la, e foi a emissora que não quis contratar um profissional da área de tradução. Isso acontece direto na área jornalística – vide o crescente número de atores fazendo as vezes de repórter.
Voltando ao caso, acho que é muito melhor, tanto para o jornalista quando para a emissora, contratar um profissional da área de tradução para eventos deste tipo: a qualidade da tradução é melhor e corre-se menos risco de traduções falhas, o que ficaria mal tanto para o jornalista (que, afinal, pode não ter condições plenas de fazer a tradução, o que poderia até prejudicar sua carreira com críticas negativas) quanto para a emissora, que pode passar a ser vista como amadora ou de baixa qualidade.
O mundo é tão grande, tem espaço para tanta gente, por que não contratar os profissionais de cada área e, além de valorizá-los, valorizar também os serviços oferecidos para a população, não acha?!
No mais, parabéns e obrigada pelo blog!

Patricia Rocha
Patricia Rocha
12 anos atrás

Parabéns mais uma vez!!
Não pude ver o evento durante o dia, mas vi um resuomo à noite, acho que se eu tivese que interpretear aquilo ali teria que segurar as lágrimas , foi bem emocionante, hein..
Looking forward to listen to you at ATA..

Bjos
Pat

inglesonline
12 anos atrás

Hahaha… caramba, o trabalho de um profissional que se expõe ao público e é competente fica melhor ainda de se admirar quando ele/ela diz que é tímido!

inglesonline
12 anos atrás

Ah sim, eu quis dizer na TV! Avisa no Twitter se der.
Abraço

Ana Luiza
12 anos atrás

Ulisses, saiba que tem também muita gente que admira o trabalho de tradução simultânea (eu sou uma). Ô mente rápida que vocês tem que ter!

Outro que admiro é legendagem – apesar de ver erros de vez em quando, acho incrível a tradução de expressões idiomáticas e piadas, especialmente quando fazem referência à cultura pop americana. Sabe? Aquilo que se fosse traduzido literalmente não faria sentido aqui.

Aliás, se eu soubesse que você faria a tradução do funeral do MJ eu até teria assistido – quais são seus próximos gigs?

Danilo Friolani
Danilo Friolani
12 anos atrás

Ulisses, você está certíssimo. É vergonhoso ouvir esses jornalistas que fazem o papel de um tradutor profissional que nem você. Eu ouví sua tradução e ao invés de ficar procurando pelo em ovo, eu sempre tento prestar atenção nas formas que você usa pra interpretar certas frases e deixá-las simples para o entendimento do público. Isso sim é um trabalho profissional. Te admiro muito. Você é 10! Abraços

Danilo Friolani

Sueli
Sueli
12 anos atrás

De uma vez por todas, deve-se também fazer a distinção entre "tradução" e "interpretação". O que se ouve é interpretação; o que se escreve é tradução.
Assim como tradução é transpor um texto em inglês para o português e versão é transpor um texto em português para o inglês. Enfim, "cada um no seu quadrado" !

Henrique
Henrique
12 anos atrás

Só quero deixar meu registro aqui em solidariedade a você Ulisses…
Paz

Ernesto Diniz
12 anos atrás

Por isso que acho importante blogs como o seu, Ulisses. É importante que os profissionais da área se posicionem e difundam informação. O grande problema é a visão minimalista geral de que Tradução é algo menor. Assim como os jornalistas defendem a posição de obrigatoriedade de um diploma, devemos defender a posição de seriedade e critério na hora de desenvolver um trabalho tão específico e técnico como é o de uma tradução consecutiva.

Criticar algo que não se conhece é fácil, mas é apresentando outros lados das moedas é que construímos um conhecimento mais sólido e mais resistente aos achismos.

Abraço!