• Pingback: ()

  • Olá, Ulisses, tudo bem, obrigado! Antes de mais nada, parabens pelo blog e pelo seu trabalho. Agora, permita-me discordar de sua discordância: Ora, sem sombra de dúvidas contexto é a base de tudo, principalmente nos casos em que há mais de um termo em uma língua e não em outra, e vice-versa. Nesse sentido, poderia-se muito bem dizer que faltou contextualizar a tradução das palavras referidas seu texto! 🙂
    De qualquer modo, a palavra contraband tb é encontrada na língua inglesa. Me explicando melhor, meu ponto é que no dia a dia, tanto as pessoas como a mídia fazem mais uso das locuções (phrases ;)) drug dealing e drug dealers ao se referirem ao tráfico de drogas e aos traficantes respectivamente, muito embora prefira-se tambem o uso de human traficking para se referir ao tráfico humano… E pensando melhor agora, contrabando e contraband só são utilizadas para negociação ilícita de produtos lícitos, não?
    Abraços, e que fique claro que apesar de minha chatice e pedantismo a intenção é apenas a de contribuir para com as discussões!
    George

    • Ulisses

      George,

      O foco do post que redigi é apenas na possível confusão causada pelo substantivo “TRAFFIC”. Um desavisado poderia imaginar que ela significa unicamente “tráfico”, o que não é verdade. O motivo provável é a existência de “TRANSIT” (também verbete do livro, mas ainda não publicado no blog), que costuma ser usado para “trânsito”. É de se esperar que ocorra a associação nem sempre correta: TRAFFIC > tráfico e TRANSIT > trânsito / tráfego.

      O trecho “Eu diria que, mais precisamente, traffic se refere ao contrabando,…” pode causar enganos porque sabemos que nem tudo que é “traffic” é “contrabando”, nem todo “tráfico” é de drogas. Você limitou o emprego de “TRAFFIC” ao “tráfico de drogas”, o que também não existe no meu texto. Digo “negócio ilícito”, ou seja, qualquer negócio ilícito e não apenas o “tráfico de drogas”. Fazer uso do advérbio “precisamente” não cabe! Daí minha menção ao contexto.

      Se uma palavra existe na língua inglesa (“CONTRABAND” consta dos dicionários), como sabemos, não é garantia de que ela seja sempre a alternativa ideal. Aliás, o assunto do texto do post nem passa perto de “contrabando”.

      Que fique claro que as contribuições são sempre bem-vindas. Há, contudo, que se ter cuidado com as afirmações categóricas sem o devido enquadramento em um contexto.

      Abraços a todos

  • Eu diria que, mais precisamente, traffic se refere ao contrabando, ao passo que dealing seria mais apropriado para se referir ao tráfico de drogas no sentido de compra e venda…

    • Ulisses

      George,

      Tudo bem? Obrigado pelo comentário. Permita-me discordar, mas, sem contexto, não há como emitirmos opinião sobre a tradução das palavras. Leia o texto “A importância do contexto“, já publicado aqui no Tecla SAP.

      Abraços a todos