DO YOU KNOW WHAT I MEAN? O maior mico de todos os tempos!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Contribuição anônima

DO YOU KNOW WHAT I MEAN?

Moro nos Estados Unidos e soube de uma história muita engraçada. Um mineiro, que trabalhava como lavador de pratos havia pouco tempo, não soube o que fazer quando a pia entupiu. Para piorar a sua situação, não falava inglês bem. Seu chefe começou então a explicar o que deveria ser feito e, ao perceber que a comunicação era difícil, perguntou:

– Do you know what I mean?

Diante do silêncio momentâneo e do olhar de perplexidade de seu interlocutor, o gerente repete a pergunta:

Do you know what I mean?

O lavador de pratos mineiro, de repente, captou a mensagem e disparou:

– Ah, já entendi! Ele está dizendo que tem que colocar um araminho na pia!

do you know what I mean

Cf. Carteira de trabalho: como se diz isso em inglês?

MORAL DA HISTÓRIA: Para quem mora no Brasil, a explicação abaixo é totalmente desnecessária, mas como o Tecla SAP é lido também em outras regiões, o texto vai com um abraço especial aos leitores de outros países de língua portuguesa.

Alguns mineiros, pessoas nascidas no estado de Minas Gerais, possuem uma maneira muito peculiar de pronunciar os diminutivos, ou seja, dizem “pãozim”, “meninim”, “dinheirim” etc. A confusão ocorreu quando o lavador de pratos ouviu a frase Do you know what I mean e ouviu a última parte, what I mean, que é pronunciada /uaraimin/ e a associou com “aramim” (araminho).

Cf. Micos em inglês: Dá um pedaço?

Cf. Micos em inglês: Crepe

Cf. Micos em inglês: A prova para tirar carteira de motorista

Se você gostou dessa história e quiser ler outras semelhantes, conheça o livro “Aprenda inglês com humor – Micos que você não pode pagar”, de Ulisses Wehby de Carvalho, ©Tecla SAP, 2012. Leia a resenha.

Speak up! We’re listening…

Quem nunca deu bola fora ao falar ou escrever inglês? Os relatos de situações constrangedoras vividas por quem ainda não possui domínio da língua inglesa têm o objetivo de divertir, ensinar e evitar que mais gente caia em armadilhas parecidas. Se você conhece um caso parecido, envie sua contribuição para [email protected]. Nomes e e-mails não são divulgados.