STUPID: qual é o significado e a tradução de “STUPID”?

Tempo de leitura: 2 minutos

Stupid by Ulisses Wehby de Carvalho

STUPID

stupid

STUPID = idiota, burro
RUDE = estúpido

Em geral, a palavra stupid, assim como “estúpido”, é usada para descrever uma pessoa desprovida de inteligência. Em inglês, contudo, stupid não tem o sentido de “grosseiro”, “bruto”, “mal-educado” que a palavra “estúpido” tem em português. Se precisar traduzir stupid, escolha uma das seguintes opções para evitar a ambiguidade: “idiota”, “burro”, “besta”, “tapado”, “asno”, “anta” etc.

  • It was really stupid of him to come back.
  • Foi muita burrice dele ter voltado.

Certo ou errado?

É certo ou errado? Mas qual é o certo? Está na hora de você virar a página e conhecer o conceito de adequação. Assista ao vídeo e amplie seus conhecimentos gerais. Aprenda a entender as diferenças entre o inglês informal e o inglês formal. Sem sustos!

Clique aqui e confirme para se inscrever gratuitamente no canal do Tecla SAP no YouTube. Bons estudos. A gente se fala!


Cf. SCHMUCK: qual é o significado e a tradução de “SCHMUCK”?

Cf. MORON: qual é a origem, o significado e a tradução da gíria?

Cf. ASSHOLE: qual é o significado e a tradução desse palavrão?

Speak up! We’re listening…

Você gostou das dicas sobre stupid? O conteúdo contribuiu para você enriquecer seu vocabulário de inglês e/ou ampliar seus conhecimentos gerais? Expresse sua opinião na seção de comentários, por favor. Muito obrigado pela participação.

YouTube, Facebook, Twitter, Instagram etc.

Vamos continuar essa conversa nas redes sociais? São várias as opções para você não deixar seu inglês enferrujar:

Você já deve ter ouvido um milhão de vezes que é muito importante manter contato constante com a língua inglesa. Então não perca essa oportunidade! É grátis! A conversa não precisa ser sobre stupid, é claro. É só me adicionar em uma das redes sociais acima e acompanhar as dicas para deixar seu inglês afiadíssimo. A gente se fala em breve…

Referência

Guia Tecla SAP: Falsos Cognatos, de Ulisses Wehby de Carvalho – © Tecla SAP, 2013. Leia a resenha.