Vestibular: qual é a palavra equivalente a “vestibular” em inglês?

Tempo de leitura: 10 minutos

Vestibular by Ulisses Wehby de Carvalho

VESTIBULAR

vestibularExiste equivalente a “vestibular” em inglês?

No post de hoje Ron Martinez e Jack Scholes, dois colaboradores assíduos do Tecla SAP, dão suas opiniões sobre como dizer “vestibular” em inglês. Eles nos emprestam o olhar do estrangeiro para expressarmos o conceito de “vestibular” na língua inglesa. O tema requer atenção e alguns cuidados. Por quê? Você vai precisar ler os dois textos para conhecer a visão de um americano, o Ron, e de um inglês, o Jack, autores renomados, especialistas no ensino de idiomas e que vivem no Brasil há muitos anos.

Espero que você goste dos dois textos. Comente no rodapé da página, por favor. Obrigado! Bons estudos!


Vestibular (1)

Vestibular by Ron Martinez

Quando vim morar no Brasil pela primeira vez, fiz o que a maioria dos estranhos em país estrangeiro faz: apreciar as diferenças. Eu reparava como a arquitetura era diferente, o clima era diferente, a comida (gostosa!) era diferente e as pessoas, em seus costumes e modo de vestir-se, também eram diferentes da realidade que eu havia conhecido até então. As mulheres, por exemplo, usavam o cabelo diferente. Notei como muitas delas faziam questão de fazer escova. E observei que as brasileiras não se importavam tanto em mostrar as curvas, geralmente usando roupas mais justas que as americanas e britânicas. Consequentemente, a minha reação ao ver moças brasileiras passeando usando, aparentemente com orgulho, um curativo band-aid colorido tampando uma sobrancelha raspada foi, simplesmente, ah, mais uma moda diferente!

Algum tempo depois descobri que aquilo era uma comemoração que as jovens brasileiras fazem ao passarem no vestibular. Os homens, fiquei sabendo, raspam a cabeça. Também descobri que muitos brasileiros pensam que cidadãos de países de língua inglesa não precisam submeter-se a qualquer tipo de prova para serem aceitos nas faculdades. Isso não é verdade.

Cf. Como se diz “trote” e “pegadinha” em inglês?

Nos Estados Unidos e no Canadá, por exemplo, existem duas provas importantes: o Scholastic Aptitude Test (SAT) e o American College Test (ACT). Receber uma nota mínima em ao menos uma dessas provas é exigido por todas as universidades americanas. Uma das principais diferenças, portanto, entre os exames pedidos pelas universidades americanas e um vestibular brasileiro é que o SAT e ACT valem para todas as universidades e faculdades e, ao contrário do Brasil, não se requer que o pretendente a estudo superior faça um vestibular diferente (por exemplo, Fuvest, Cespe, Uerj) de acordo com a faculdade que deseje frequentar.

Assim como o vestibular, SAT e ACT não são exames “mamão com açúcar”. O ACT, por exemplo, é uma prova longa e árdua, com cinco horas de duração. Como o vestibular, o ACT testa conhecimentos de língua inglesa, incluindo redação e leitura crítica de textos, além de matemática e ciências. Entretanto, não cai língua estrangeira, história e geografia.

Deixando de lado as similaridades ou diferenças entre o vestibular brasileiro e os exames americanos, o que torna o vestibular especial – e o motivo de sua inclusão neste livro -, não é só o grau de difivuldade, que é maior, mas sua importância para quem quer ir à universidade no Brasil e seu impacto na cultura geral. Quando um americano tira uma nota alta no SAT ou ACT, ele não raspa a cabeça, nem qualquer outra parte do corpo. Mesmo que a nota tenha sido muito alta, a foto dele não aparece em jornal algum. De fato, não existe lista publicada com os nomes dos “feras”. Os resultados são enviados discretamente pelo correio. Ninguém espera ver seu nome no suplemento do jornal. Os resultados são numéricos, e valem para qualquer faculdade, então, não existe o conceito de “passar no SAT”, como acontece com o vestibular, nem o costume de pais darem presentes aos filhos por passarem na prova; filhos não recebem carros nem viagens ao exterior por tirarem notas boas no SAT e no ACT. E se um aluno tira uma nota baixa nesses exames, não é nenhuma calamidade: ele pode repetir o exame um ou dois meses depois.

Cf. GRADUATE: como traduzir esse falso cognato?

Isso não quer dizer que conseguir ir à universidade na América do Norte não seja grande coisa. Há comemorações entre os alunos, e os pais dão presentes aos filhos; porém, somente quando os alunos são aceitos nas universidades. Acontece que, em contraste com o sistema universitário brasileiro, as universidades norte-americanas levam um conjunto de fatores em consideração ao aceitar ou não um candidato. Em primeiro lugar vale o histórico dos últimos três anos do ensino médio americano (high school). E as universidades não só esquadrinham as notas conseguidas, mas também as atividades extracurriculares (como participação em esportes ou “clubes” dentro da escola), qualidades de liderança, participação na comunidade, além de, frequentemente, uma carta de apresentação e recomendações de ex-professores, e até uma entrevista em pessoa. Ou seja, se um pretendente a qualquer universidade tira a nota máxima no SAT ou no ACT, mas, ao longo de seu histórico escolar, ele tirou notas abomináveis e não fez nada além de assistir às aulas, não adianta – não será aceito em nenhuma universidade decente.

vestibular

Por isso, o vestibular lembra um pouco o conceito de recuperação (p. 172). Mesmo não se esforçando durante anos na escola, um aluno pode correr atrás do prejuízo nos últimos segundos do jogo e marcar um golaço e… entrar nas melhores faculdades do país. O vestibular basicamente testa tudo que era para ser estudado ao longo do ensino médio. Não é de se estranhar, então, que o vestibular seja tão importante na cultura brasileira.

Assim sendo, o vestibular não é apenas um college entrance exam (exame de ingresso à faculdade), como é habitualmente traduzido. Chama-se “vestibular” porque vem da palavra “vestíbulo”, o pórtico que dá acesso à entrada principal de um edifício. É um exame de fase vestibular, ou seja, a única barreira entre o aluno e seu futuro acadêmico. Assim, é necessário pensar em uma tradução que melhor reflita essa importância:

  • exame vestibular
  • the vestibular, an annual mega college-specific entrance exam, the one and only deciding factor for who gets into a university, and who doesn’t

Tradução: “O vestibular, uma superprova de ingresso à faculdade, o único fator decisivo para quem será aceito ou não”. É muito longo, eu sei, mas tem que ser assim para fazer jus a um exame tão impactante que impele as pessoas a rasparem o cabelo da cabeça e a colocarem band-aids de Bob Esponja na testa.


Tecla SAP no YouTube!

O Tecla SAP também está presente no YouTube! Assista aos vídeos do canal Tecla SAP com Ulisses Carvalho com dicas de vocabulário, pronúncia, phrasal verbs, Business English, gírias, expressões idiomáticas, como aprender inglês com música, falsos cognatos, como melhorar o listening, erros comuns e como evitá-los, estratégias de aprendizado e muito mais!

Clique aqui e confirme para se inscrever gratuitamente no canal Tecla SAP com Ulisses Carvalho no YouTube. Enriqueça seu vocabulário de inglês, aperfeiçoe sua pronúncia e amplie seus conhecimentos gerais. Bons estudos!


Cf. Falsas gêmeas: TESE x DISSERTAÇÃO

Cf. BACHELOR: qual é o significado e a tradução da palavra?

Cf. Depende! Por que é tão difícil aceitar “Depende.” como resposta?


Vestibular (2)

Vestibular by Jack Scholes

Vestibular
[university entrance exam]

  • Na virada do ano, cerca de 127.000 jovens enfrentaram o vestibular da Fuvest.
  • At the turn of the year, about 127,000 young people faced the Fuvest university entrance exam.

vestibular

TIPS & NOTES

The vestibular is a written examination used by universities in Brazil to select students. The exams are designed independently and separately by each university and usually take place between November and January before the start of the academic year in February or March.

Cf“TEST” nem sempre quer dizer “teste”

The most competitive examinations in the country are the ones for the very prestigious and also tuition-free public universities, like USP (Universidade de São Paulo), Unesp (Universidade Estadual Paulista), Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), UnB (Universidade de Brasília), UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), etc.

The examinations for these public universities are set by special foundations or commissions, created specifically for this purpose. For example, the Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) is the examination for entrance to the University of São Paulo. To illustrate how highly competitive the Fuvest is, for the most sought-after courses, like Medicine, there are usually more than 100 candidates per vacancy.

Before taking the vestibular many students take special preparatory crash courses, called cursinho.


Gramática

Assista aos vídeos da playlist Gramática do canal Tecla SAP com Ulisses Carvalho no YouTube! Conheça dicas práticas para você aprender os principais conceitos da gramática da língua inglesa em contexto. Saber usar a gramática é fundamental para você se comunicar bem em inglês! Sempre na dose certa, é claro, sem exageros!

Clique aqui e confirme para se inscrever gratuitamente no canal Tecla SAP com Ulisses Carvalho no YouTube. Enriqueça seu vocabulário de inglês, aperfeiçoe sua pronúncia e amplie seus conhecimentos gerais. Bons estudos!


Cf. Os 10 erros mais comuns de quem estuda inglês

Cf. Concurso: como se diz “concurso público” em inglês?

Cf. Tradutor e intérprete: como se tornar um profissional da área?

Speak up! We’re listening…

O que você achou dos textos dos professores Ron Martinez e Jack Scholes sobre o “vestibular”? Você já conhecia equivalentes em inglês ou as dicas foram importantes para você ampliar ainda mais o seu vocabulário? Comente, por gentileza, na seção de comentários logo abaixo. Toda a equipe de colaboradores do Tecla SAP agradece sua contribuição.

Referência 1

Como se diz chulé em inglês?, de Ron Martinez, Editora Campus/Elsevier, 2007. Leia a resenha para obter mais informações sobre a obra.

Referência 2

Break the Branch? Quebrar o Galho – Common, Everyday Words and Phrases in Brazilian Portuguese, de Jack Scholes, Disal Editora, 2008. Leia a resenha para obter mais informações sobre o livro.